{ "data": [ { "event_name": "Purchase", "event_time": 1654007988, "action_source": "email", "user_data": { "em": [ "7b17fb0bd173f625b58636fb796407c22b3d16fc78302d79f0fd30c2fc2fc068" ], "ph": [ null ] }, "custom_data": { "currency": "BRL", "value": 2.99 } } ] "test_event_code:" "TEST65937" }
 
  • Tiago Araripe

O novo filme de Rosemberg Cariry, no olhar de um cinéfilo amador.


Cartaz de divulgação

A cada filme de Rosemberg Cariry é perceptível o quanto o diretor evolui no domínio da arte que escolheu como expressão de visão de mundo. Não é diferente em Os Escravos de Jó, a que tive a honra de assistir em primeira mão.

Ali estão referências ao próprio cinema, desde um primitivo (e lúdico) praxinoscópio a recortes de obras de grandes diretores como Buñuel, Resnais e Godard, passando por fragmentos de documentários, imagens fortes que alinhavam a narrativa.

O enredo tem como principal ambientação a cidade de Ouro Preto, ponto de confluência de aspectos da cultura popular local, como congadas e a arte do barroco mineiro, dialogam com formas globais de expressão, como a poesia andaluz e o próprio cinema, numa integração possibilitada pela tecnologia que expande o alcance da aldeia, das causas sociais às buscas pessoais.

Ao contraponto da cultura popular com novos meios de comunicação, somam-se diversos outros contrastes. Há a busca de respostas no passado, ao mesmo tempo que se vislumbram perspectivas para o futuro. Há os encontros e desencontros dos personagens, marcados ora pelo preconceito, ora pela tolerância. Tem a delicadeza da arte confrontada com a brutalidade da guerra, numa justaposição de humanização e barbárie, vistos ora no preto-e-branco documental, ora no colorido lirismo de obras de Mestre Ataíde e outros artistas barrocos. O próprio filme exala lirismo, mesmo à sombra de tantos fantasmas de contradições históricas. Outro paralelo importante se dá entre o restauro de obras barrocas e a restauração de afetos e de rumos – seja em histórias pessoais, seja em vivências coletivas.

Da história de Jó, narrada por um dos personagens, desponta a grande dúvida existencial numa pergunta feita a Deus por um dos escravos daquele admirável homem. Sábia decisão do diretor, deixar que o espectador encontre sua própria resposta.

Uma surpresa é guardada para o final, acentuando um dos principais contrapontos do filme. Mas fique tranquilo, leitor. Não darei spoiler.


Também ao fim e ao cabo, uma velha mina de ouro, explorada com mão de obra escrava e hoje atração turística, ganha ares de caverna de Platão, numa simbologia a apontar que, em essência, a grande batalha humana é aquela travada dentro de si mesmo. Tiago Araripe Bombarral, PT, 03.10.2022

91 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
 
831885828206936