• Tiago Araripe

Poemas-pílulas, pra fortalecer a imunidade.

Atualizado: Set 23


Porta interna da Catedral de St. Pierre, Genebra. (Foto: Tiago Araripe)




Palavras,

por que guardá-las?

– perguntou o travessão.

Os parênteses

(discretos como sempre)

não disseram

nem sim nem não...



Com este prólogo, tem início o livro Poemas-pílulas, contos-gotas.


São palavras leves, e é natural que busquem emergir, seja do fundo das gavetas, blocos de rascunho e pedaços de papel dispersos, seja de arquivos esquecidos nas profundezas de computadores, HDs e pen-drives.

Quem sabe algumas delas venham de salas seculares, guardadas por pesadas portas de uma memória coletiva ainda não desvendada? Mas aí não seriam leves e só produziriam espirros. Diferentemente, os presentes comprimidos poéticos, ao provocar sorrisos, fortalecem a imunidade nestes tempos sombrios. Afinal, como receita o dito popular (ou o bordão da Seleção do Reader's Digest), rir é o melhor remédio.



Veja, AQUI, mais postagens do blog.




©2020 por Tiago Araripe