{ "data": [ { "event_name": "Purchase", "event_time": 1654007988, "action_source": "email", "user_data": { "em": [ "7b17fb0bd173f625b58636fb796407c22b3d16fc78302d79f0fd30c2fc2fc068" ], "ph": [ null ] }, "custom_data": { "currency": "BRL", "value": 2.99 } } ] "test_event_code:" "TEST65937" }
 
  • Tiago Araripe

Continuar produtivo é o que me faz permanecer vivo


Mulher Baré, indígena do Alto do Rio Negro (AM), local do clipe Meu Garimpo. | Foto: Augusto Pessoa.


Estar em movimento é o que nos faz vivos, não apenas sobreviventes. Protagonistas da nossa própria história, não meros coadjuvantes. É estarmos ativos e produtivos, mesmo que a idade peça um pouco mais de calma ou a gente se sinta impelido ao comodismo.

Muito pouco acontece se permanecemos na zona de conforto. Talvez uma ideia deixada para amanhã, um impulso reservado ao depois.

Se a velhice quer tomar as rédeas, o jovem que permanece em mim salta de banda. Mostra que o corpo deve ser exercitado. E que a mente quieta é nos momentos de concentração, na busca de sintonia com o divino. Afinal, a imaginação também é um exercício, por meio da qual a criatividade ganha músculos na solução de problemas e na realização de projetos.

Não basta ter ideias se, por melhores que sejam, elas permanecem na gaveta.

Por isso retomo o fio narrativo deste blog: para falar de projetos, de causas, de coisas que nos fazem viver com mais alegria e intensidade. Nosso novo projeto é mais que uma nova canção, um novo clipe, a continuidade do meu trabalho musical. É a defesa de valores nos quais baseio a minha vida. Vem aí Meu Garimpo.

56 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
 
831885828206936